Atualizado 11/01/2018

Livro que será lançado hoje sobre Trump pode devastar Washington

Advogados do presidente dos EUA tentaram suspender a publicação.

Antecipada para hoje, a publicação de Fire and Fury, livro do jornalista Michael Wolff sobre o primeiro ano do governo Donald Trump, promete, para empregar uma imagem citada pelo próprio Wolff, provocar um “furacão de magnitude 5” em Washington, bem mais poderoso que as nevascas que têm devastado o país.

 

A primeira vítima da borrasca foi o ex-chefe de campanha e ex-estrategista de Trump, Steve Bannon, alvo de um despacho duríssimo em que Trump o acusa, com base nas declarações citadas no livro, de ter perdido não apenas o emprego na Casa Branca, mas também a cabeça.

 

Bannon foi o sustentáculo do populismo nacionalista que atraiu grupos supremacistas e antissemitas para a campanha de Trump e o artífice de algumas de suas políticas mais controversas, como o veto à entrada de cidadãos de sete países de maioria muçulmana, a ruptura de acordos internacionais e a crítica a “ambos os lados” depois da manifestação neonazista de Charlottesville em agosto.

 

Continuava ontem a ser lançado ao léu pelo vendaval. Foi abandonado por doadores de campanha com que contava para tomar o controle do Partido Republicano nas primárias para as eleições legislativas. Entre eles, o investidor petrolífero Dan Eberhart, o magnata dos cassinos Sheldon Adelson e o investidor Robert Mercer, principal financiador de iniciativas como o site Breitbart.

 

Poucos acreditam que Bannon continuará no comando do Breitbart depois do (raríssimo) comunicado de Rebekah Mercer, filha de Mercer e integrante do conselho do Breitbart: “Minha família e eu não nos comunicamos com Bannon há meses, não fornecemos apoio financeiro a sua agenda política, nem apoiamos suas ações e declarações recentes”.

 

Depois de Bannon, o furacão Wolff se volta agora contra o próprio Trump. A editora Henry Holt and Co., do grupo McMillan, decidiu antecipar o lançamento para hoje após ser notificada pelos advogados de Trump. Eles exigiram a suspensão prévia da publicação, atitude que fere o espírito da Primeira Emenda da Constituição americana, que garante plena liberdade de expressão.

 

Juristas comparam a tentativa de Trump à de Richard Nixon, ao tentar impedir a publlicação dos Documentos do Pentágono, as 14 mil páginas secretas sobre a Guerra do Vietnã vazadas pelo analista Daniel Ellsberg em 1971, num caso que foi parar na Suprema Corte.

 

Mas naquele caso – tema do último filme de Steven Spielberg, The Post – foi o governo que processou New York Times e Washington Post para defender um segredo de Estado. Agora, os advogados de Trump agem em nome não do governo, mas do cidadão. Trump acusa o livro de mentiroso e afirmou no Twitter que jamais concedeu a Wolff o acesso à Casa Branca de que ele se gaba.

 

Wolff narra diversos episódios que podem ter impacto na investigação do FBI sobre a intervenção da Rússia na campanha eleitoral. Bannon insinua no livro que Donald Trump Jr., filho de Trump, foi “traiçoeiro” e “impatriótico” por ter recebido, sem alertar o FBI, uma advogada russa que lhe prometera material comprometedor sobre Hillary Clinton.

 

O livro também descreve a assinatura de um comunicado, a bordo do Air Force One, em que Trump desmente uma reportagem do Times sobre um encontro de funcionários de sua campanha com representantes russos. De acordo com o livro, um assessor de Trump saiu do governo por acreditar que o comunicado configurava obstrução de Justiça.

 

Uma reportagem publicada na edição de hoje do Times corrobora essa versão, ao descrever como Trump fez pressão para que o secretário de Justiça, Jeff Sessions, não se declarasse impedido nas investigações sobre o envolvimento russo na campanha. Em março, Sessions se viu obrigado a fazer isso, pois tinha se encontrado duas vezes com o embaixador russo, Sergey Kislyak. Semanas depois, Trump demitiu o diretor-geral do FBI que comandava o inquérito.

 

Ainda hoje ficará claro que tipo de contribuição o livro de Wolff trará para esclarecer o imbróglio russo. Há bons motivos, contudo, para ser cético a respeito do conteúdo. Ex-colunista de mídia da New York e da Vanity Fair, atualmente na Hollywood Reporter, Wolff é conhecido mais pelo acesso às celebridades, pela agressividade nas fofocas e pela mordacidade de texto do que pelo capricho e cuidado com a informação.

 

Seu livro Burn Rate, sobre os tempos de empreendedor digital durante a primeira bolha da internet, foi contestado por vários personagens citados. O empresário Rupert Murdoch deu acesso exclusivo a Wolff para a biografia The man who own the news, publicada em 2008, depois pôs em dúvida várias imprecisões publicadas por Wolff. Em uma resenha irônica no Times, David Carr escreveu que “um dos problemas com a onisciência de Wolff é que, embora possa saber tudo, muita coisa ele sabe errado”.

 

As contestações a Fire and Fury já começaram. O empresário Tom Barrack Jr. negou ter dito que seu amigo Trump fosse “não apenas louco, mas também burro”. A ex-número dois da Casa Civil Katie Walsh, que deixou a Casa Branca logo no início do governo, também contestou as afirmações atribuídas a ela por Wolff.

 

Outros trechos do livro foram confirmados por testemunhas. É o caso do diálogo durante um jantar em que Bannon encontrou o então chefe da Fox News, Roger Ailes. Como no caso de Murdoch, Wolff garante ter gravações para comprovar suas citações. Mas isso pode não bastar. Erros que podem parecer menores ou até toleráveis no jornalismo de celebridades (onde o acesso às fontes de informação é, por si só, notícia) são inaceitáveis no jornalismo político.

 

No universo em que poderosos tentam usar a imprensa, fatos precisam ser verificadas com outras fontes; citações, postas em contexto ou descartadas se não houver confirmação. Reconstruir um diálogo sem transparência a respeito da origem pode ser eficaz para efeito literário, mas abre margem a contestação. O sigilo da fonte existe para garantir a qualidade da informação, não para prejudicá-la.

 

Nenhuma limitação ou erro, obviamente, justifica a tentativa de Trump de deter a tormenta proibindo o livro. A partir desta manhã, o furacão Wolff estará nas livrarias, e todos esperam um abalo nas estruturas da Casa Branca. Será pedagógico se a falta de critérios jornalísticos acabar por transformá-lo numa chuvinha à toa.

Fonte: G1.globo.com
© Copyright 2017 - Rede Nossa Rádio, Todos os direitos reservados Desenvolvido por HZ Soluções